YayBlogger.com
BLOGGER TEMPLATES

quinta-feira, 7 de maio de 2009

há pessoas que nos apaixonam

"Na simpática e pacata vila da Palhaça" nascia, a 30 de Maio de 1979, a Catarina Pereira. Nada como uma vila pequena e familiar para apaixonar esta cidadã do Mundo que se refere à Palhaça como "uma vila na encruzilhada de um país pequeno onde cresci, me afastei e regressei sempre" a mesma que "escolhi para lançar as raízes da minha família".
É no centro da Palhaça, numa "casa com o mínimo de paredes possível, luminosa e ampla", que a Catarina vive com o marido, Pedro, e com o filho, Salvador. Na "grande casa que é a nossa vila" vivem também os avós maternos e os avós paternos do Salvador, o que faz da família girassol uma família sempre unida por uma viagem de bicicleta ou triciclo.
Uma comunicadora nata, não poderia trabalhar noutra área se não a da Comunicação. "Integro o departamento de marketing de um Grupo Português da área da metalomecânica e energias renováveis". Há 5 anos que se aventurou na equipa da Pastoral Juvenil de Aveiro e foi graças a essa aventura que nos conhecemos e, segundo a Catarina, "onde sinto ter um papel importante ao lado de outros". Define cidadã activa como alguém "que pode e deve contribuir com o seu melhor para a comunidade local" e é assim que se sente na Palhaça. "Aquela que me ocupa toda" é a profissão onde se estreou há 3 anos, é mãe do Salvador.

Dinamizadora e brincalhona, ocupa os tempos livres a "brincar com o Salvador, a organizar lanches, jantares e encontros com os amigos" sempre numa vida de casal onde cabe o gosto por viajar, ir ao teatro ou a um espectáculo de música. A última descoberta da Catrina foi "o prazer de não fazer nada...simplesmente estar, descansada!".
"Sou eléctrica, impaciente, ansiosa e à custa destas três quase não tenho unhas nos dedos." Quem a vê com o seu metro e meio e aquela energia toda só pensa onde cabe tanta energia e imagina que "monotonia" não é a sua palavra preferida. Confessa a "dificuldade em lidar com pessoas que não foram abençoadas com sentido de humor". Partilho essa dificuldade também, Catarina.

"Sou aventureira, faladora e, segundo me dizem, consigo trazer novidades mesmo quando venho da casa-de-banho" É engraçado como este vício de falar e falar e falar nos prolonga as conversas, quer as de café ou as de passeio, os telefonemas e os mails. "Sou das pessoas mais tolerantes que conheço" e é óbvio nela o facto de lidar bem com o inesperado e de adorar a palavra desafios. Somos parecidas pelo menos numa coisa, o prazer que temos em ver as pessoas felizes e a forma como nos entregamos e damos tudo para contribuir para essa felicidade.
Das muitas coisas que se trocam entre mãe e filho, o gosto por cores com que nos identificamos na vida é uma delas. A Catarina e o Salvador adoram o amarelo, uma cor que traduz luz, claridade e energia.
Itália seria, de certeza, um destino onde a Catarina se derreteria com a diversidade de massas, embora levasse na bagagem o seu "fiel cozinheiro", o Pedro que faz os pratos que mais adora.
Num amanhecer com Sol temos sempre que pensar que "hoje será melhor do que ontem, terei mais tempo para aproveitar, mais horas para ser produtiva, mais luz para me inspirar". Dos sonhos que nos vão unindo, a Catarina tem um muito especial e curioso, fazer uma horta, assim como "aproveitar ao máximo uma semana de férias com os dois homens da minha vida e desfrutar em pleno daquilo que os três merecemos: tempo para darmos uns aos outros o melhor".
"Gostava muito de ser mãe outra vez!" é o sonho mais especial de todos para mim, a oportunidade de ver crescer o irmão/irmã do Salvador, até porque é um prazer ver essa vossa família crescer.
Com os seus (quase!) 30 anos continua a surpeender-se com "a capacidade das pessoas de se entregarem a projectos/desafios sem procurarem qualquer objectivo pessoal, a sua dádiva aos outros à comunidade" A vela é outra coisa que apaixona a Catarina, fascina-a a ideia de "um barco, sempre em movimento, que ao sabor do vento vai sendo conduzido consoante o objectivo de quem o conduz".
É quando acorda que a Catarina Girassol se sente capaz de mudar o mundo, com 100% de energia. Confessa que "sou toda eu matinal!"

2 comentários:

giragirassol disse...

Fico tímida e encolhida peso de tamanha descrição amiga...
...uffa, logo eu com o meu metro e meio de gente!

Ondina disse...

Como é bom partilhar esta energia que transpira de vocês!

beijos...